Histórico São Francisco do Conde

A origem do município de São Francisco do Conde remonta à construção de um engenho, à foz do rio Sergipe atual Sergi – mirim, em terras de sesmaria concedidas por Mem de Sá a Fernão Rodrigues Castelo Branco, em 1561, e que por sua morte passaram a propriedade de sua filha D. Helena, casada com D. Fernando de Noronha, conde de Linhares.

Na primeira metade do século XVII, os frades franciscanos fundaram o primeiro convento no lugar denominado Marapé, a uma légua da povoação, mudando-se em 1629, para o local onde se encontra atualmente a cidade, em terrenos que lhes foram doados por Gaspar Pinto dos Reis e sua mulher. Por Carta Régia de 27 de dezembro de 1693, foi determinada a criação de vilas no Recôncavo Baiano, cabendo a D. João de Lancastre fundar, a 27 de novembro de 1697, a vila que tomou o nome do São Francisco da Barra de Sergipe do Conde, cuja instalação se verificou a 16 de fevereiro de 1698.

São Francisco de Conde teve assinalada participação nas lutas da independência. O Tenente-coronel Comandante Joaquim Inácio de Siqueira Bulcão, natural do Município e primeiro Barão de São Francisco, é mesmo cognominado “Patriarca da liberdade baiana”. No Município nasceu também Mário Augusto Teixeira de Freitas, idealizador e fundador do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Segundo a divisão administrativa, vigente em 1º de janeiro de 1958, o município é composto de três distritos: São Francisco do Conde, Mataripe e Monte Recôncavo.

O município guarda um grande patrimônio cultural e uma diversidade de etnias presente no cotidiano da cidade. Sua biodiversidade é riquíssima e possui ainda grande parte da Mata Atlântica. A riqueza do passado se baseava na plantação de cana-de-açúcar que deram inicio ao desenvolvimento econômico da área, atualmente uma das principais é a extração e refino de petróleo RLAM (Refinaria Landulpho Alves Mataripe), homenagem ao engenheiro e político baiano que lutou para conquistar a causa do petróleo na Bahia. O município possui o maior Produto Interno Bruto por habitante segundo IBGE/2009. Dados do jornal O Globo (2011) revela que o mesmo destaca-se pela diversidade da cultura regional herdada do Império Português, e a gastronomia deixada pelos africanos e índios primeiros habitantes da região.

Destaca-se entre esses, o engenho de Cajaíba que foi o mais prospero da região na época. Hoje, a ilha de Cajaíba possui um acervo histórico e cultural muito importante. A casa grande, por exemplo, foi moradia de personagens como Men de Sá, Gabriel Soares e Barão de Cajaíba, este foi líder da Sabinada, importante luta histórica em prol da independência do Brasil. Deve-se destacar também, sua atuação em movimentos importantes de emancipação política no Brasil, como a Revolução dos Alfaiates (1798), Sabinada (1837) e Independência da Bahia (1823).

( O vídeo mostra prédios históricos no centro da cidade, como alguns casarões antigos e do ponto alto parte da igreja do  padroeiro).

     Foto centro da cidade

Foto da arquitetura antiga no centro da cidade.

( Acervo do projeto)

( Acervo do projeto)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s